Preso acusado de liderar facção criminosa que atua na cidade de Timon


O homem foi preso em um condomínio residencial de apartamentos, situado na zona sudeste de Teresina. Ele foi preso junto com a companheira, que também tinha mandado de prisão em aberto. Na manhã desta quarta-feira (16), as polícias Civil do Maranhão e Piauí realizaram uma operação para cumprir mandados de prisões preventivas e de buscas domiciliares contra pessoas envolvidas no tráfico e associação para o tráfico de drogas.
Preso acusado de liderar facção criminosa que atua na cidade de Timon
Divulgação/Polícia Civil.
Os mandados, expedidos pelo Juízo da 1ª Vara Criminal de Timon, no Maranhão, foram cumpridos nas cidades de Teresina-PI e Timon.
A operação cumpriu dois mandados de prisão e quatro de busca e apreensão. Segundo as investigações, uma das pessoas presas na operação é apontada como líder de uma facção criminosa que atua na cidade de Timon, no esquema de venda de drogas e é envolvida em práticas de homicídios na região.
O principal alvo da operação foi localizado em um condomínio residencial de apartamentos, situado na zona sudeste de Teresina. De acordo com a polícia, ele foi preso junto com sua mulher, que também tinha mandado de prisão preventiva em aberto.
No apartamento do casal foram apreendidos: um revólver calibre .38 devidamente municiado, a quantia de R$31 mil reais em espécie e uma pequena quantidade de maconha, além de um veículo de luxo, cartões bancários, joias e celulares.
O casal tinha outra residência localizada em Timon, que também foi alvo de buscas, sendo apreendido na casa mais duas motocicletas, televisores e relógios de elevado valor comercial.
A Polícia Civil investiga os suspeitos por tráfico de drogas, associação para o tráfico e pelo crime de enriquecimento ilícito das pessoas envolvidas no esquema.
A operação foi realizada pelas equipes da Denarc e 18ª Delegacia Regional de Timon – MA, em conjunto com a Delegacia Estadual de Repressão a Entorpecentes (DEPRE), da Polícia Civil do Estado do Piauí. Contou ainda com apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate as Organizações Criminosa (GAECO) do Ministério Público do Maranhão (MP-MA), este último, na fase de levantamento de dados e informações.