Justiça determina o afastamento prefeito de Cândido Mendes por improbidade administrativa


Mazinho Leite deve ficar afastado por 180 dias. Justiça atendeu pedido de ação do Ministério Público do Maranhão (MP-MA), que alega irregularidades em licitações de obras para reformas de escolas municipais. Justiça afasta prefeito de Cândido Mendes
A Justiça do Maranhão determinou nessa sexta-feira (11), o afastamento do prefeito de Cândido Mendes, José Ribamar Leite de Araújo, conhecido por ‘Mazinho Leite’, por ato de improbidade administrativa. O afastamento do político será pelo período de 180 dias e atendeu a um pedido do Ministério Público do Maranhão (MP-MA).
A ação aponta que houve irregularidades em licitações e contratos feitos para a reforma de escolas municipais de Cândido Mendes. De acordo com o Ministério Público, as ilegalidades constatadas nos documentos chegam até R$ 1.427,787,82.
Mazinho Leite, prefeito de Cândido Mendes
Divulgação/Prefeitura de Cândido Mendes
Além de Mazinho Leite, foram acionados a advogada Edna Maria Cunha Andrade, o servidor municipal Cleberson Sousa de Jesus, a empresa Construtora Akrus LTDA e o empresário Reginaldo Gomes Melônio.
A decisão foi da juíza Myllenne Calheiros de Melo Moreira, da Comarca de Cândido Mendes. Além disso, foi decretado o bloqueio dos bens do prefeito e dos demais envolvidos no valor das irregularidades apontadas pela ação do MP-MA, acrescido de juros legais, além de multa, conforme a Lei de Improbidade Administrativa.
Durante o período de afastamento, a Justiça determinou que o vice-prefeito do município, Jofran Braga, que passe a exercer a chefia do Poder Executivo Municipal.
Prefeito havia sido preso
Mazinho Leite havia sido preso em flagrante por posse ilegal de armas há menos de um mês, pelo Grupo Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) da Polícia Civil, durante uma operação que buscava apreender documentos relativos à licitações realizadas pela prefeitura de Cândido Mendes com empresas.
Em buscas realizadas na casa do político, a polícia encontrou R$ 400 mil em espécie. As investigações do Gaeco foram iniciadas após a identificação de suspeitas de fraude em uma licitação realizada em 2013, que adquiriu materiais de limpeza.
Segundo a Polícia Civil, os materiais eram fornecidos por uma empresa de fachada, localizada no município de Turiaçu, e no endereço informado funcionava uma lotérica.
Na casa do gestor Mazinho Leite também foram encontrados mais de R$ 400 mil em espécie.
Divulgação/MPMA
Superfaturamento nas reformas
De acordo com o MP-MA, ficou atestado o superfaturamento de R$ 1,2 milhões nas obras de reformas das escolas municipais de Cândido Mendes. Em depoimento, um dos pedreiros que trabalhou na obra afirmou que ficou fechado em R$ 83 mil o pagamento dos serviços e os materiais utilizados teriam custado em torno de R$ 200 mil, totalizando R$ 280 mil em gastos.
Além disso, os materiais utilizados na obra eram comprados diretamente de uma loja de materiais de construção do próprio município, com autorização do servidor Cleberson Jesus, da advogada Edna Andrade e do próprio prefeito. Em alguma vezes, os materiais eram trazidos de São Luís para o município.