Imagens mostram veterinário matando empresário dentro de clínica em São Luís


Apesar do advogado do veterinário ter dito, em entrevista, que o cliente tava se defendendo e atirou na direção das pernas, as imagens mostram que os disparos foram na direção da cabeça da vítima, que morreu na hora. Imagens mostram veterinário matando empresário em São Luís
Nesta quinta-feira (17), a TV Mirante mostrou as imagens das câmeras de segurança da clínica veterinária, em São Luís, onde o empresário Eduardo Viégas foi assassinado a tiros na última quarta-feira (10).
As imagens mostram toda a sequência do assassinato praticado pelo veterinário Daniel Leite, dentro da clínica no bairro Monte Castelo. Na hora do crime, quatro pessoas estavam presentes na sala onde Eduardo foi morto com 9 tiros de pistola.
Suspeito de assassinar empresário a tiros em clínica veterinária de São Luís se entrega à polícia
Imagens mostram veterinário matando empresário em São Luís.
Reprodução/TV Mirante.
O vídeo mostra quatro pessoas na recepção da clínica, por volta de 19h40, da quarta-feira (9). O empresário Eduardo Viégas carrega um cesto com um gato, a namorada dele ao lado. Por trás do balcão, o veterinário Daniel Leite e, ao lado, uma quarta pessoa.
Segundo a polícia, a conversa seguinte é uma discussão sobre o valor cobrado pelo atendimento do animal. A principal testemunha do caso é Evelyn Mendes, namorada do empresário assassinado.
Em entrevista à repórter Regina Sousa, na segunda-feira (14), ela falou sobre essa discussão.
“Ele tava informando alguns procedimentos, mas não parecia que tinha sido efetuados de fato. Então a gente começou a questionar e ele não sabia explicar. Eduardo pediu a nota e ele não quis dar a nota. Eduardo disse que ia chamar a polícia, aí disse ‘vai lá, chama’, com ar de deboche. Aí Eduardo disse que ia chamar a polícia. Duas vezes ele disse que era para Eduardo chamar a polícia”, conta Evelyn.
Namorada de empresário assassinado conta como foi o crime
As imagens mostram o empresário Eduardo Viégas pegando o celular para gravar a discussão. O veterinário não gosta de ser filmado e parte apontando o dedo pra cima do empresário e tenta tomar o celular a força.
O aparelho parece tocar no rosto de Eduardo, que reage dando dois socos no rosto do veterinário.
Na hora da briga, Daniel Leite usa uma camisa pra fora da calça e não dá pra perceber que ele estava armado.
Após ser atingido pelos socos, Daniel saca a arma da cintura e dispara a queima roupa em cima do casal. Os primeiros tiros acertaram Evelyn, que foi ferida no braço e na mão e perdeu um dos dedos.
“Eu só lembro já do meu namorado sendo atingido brutalmente, até mesmo depois de caído no chão. Acho que Eduardo caiu no terceiro (tiro), então ele ainda continuou, foram nove tiros”, relata a namorada de Eduardo Viégas.
A sequência das imagens são chocantes. Daniel Leite dispara nove vezes para acertar Eduardo Viégas.
Apesar do advogado do veterinário ter dito, em entrevista, que o cliente tava se defendendo e atirou na direção das pernas, as imagens mostram que os disparos foram na direção da cabeça da vítima, que morreu na hora.
“Ele também disse que não tinha a intenção de tirar a vida de ninguém, até porque ele não conhecia a pessoa, não era inimigo dele, ele não a conhecia. Atirou na direção dos pés, ele abaixou muito rápido, e ele acabou atingindo órgãos fatais”, alegou Leônide santos Saraiva, o advogado de Daniel Leite.
O veterinário Daniel Leite era plantonista da clínica veterinária fazia cinco anos. Contra ele, a polícia disse que já havia três boletins de ocorrência por ameaças e dano.
“Tem algumas ocorrências registradas contra o autor, até por crime de ameaça e de dano. Que vão ser extraídas, para ver se as pessoas são intimadas pra falar. Porque pesa muito essa questão sobre a personalidade do autor. A vida pregressa dele deve ser analisada nos autos também”, explicou o delegado Lúcio Reis titular da Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), que investiga o caso.
As imagens que mostram o momento do crime ainda estão passando por uma perícia técnica, e a polícia vai aguardar o resultado do laudo para concluir o inquérito no prazo de até 30 dias e definir as qualificações do homicídio.