Duas pessoas são baleadas durante tentativa de assalto em parada de ônibus de São Luís

O crime aconteceu na noite dessa segunda-feira (21), na avenida dos Holandeses, no bairro Calhau. Tentativas de roubo e de homicídio são registradas em São Luís
Na noite dessa segunda-feira (21), duas pessoas foram baleadas em uma tentativa de assalto, em São Luís.
O crime aconteceu em uma parada de ônibus, na avenida dos Holandeses, no bairro Calhau.
Segundo testemunhas, um grupo estava na parada esperando o coletivo, quando os criminosos chegaram ao local, a pé, e anunciaram o assalto.
Na hora do crime, as vítimas saíram correndo, e os criminosos começaram a atirar. Os tiros atingiram duas pessoas.
Um dos feridos, identificado como George Santos Silva, foi atingido na região do abdômen. O homem foi levado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) ao Hospital Djalma Marques (Socorrão I), no Centro da capital maranhense, onde passou por procedimento cirúrgico.
A segunda vítima foi uma mulher, que não teve a identidade divulgada. Ela foi baleada na altura das pernas e socorrida pelo próprio marido.
Após o crime a Polícia Militar foi acionada e fez buscas na região, mas não conseguiu identificar e localizar os suspeitos de praticar o crime.
Insegurança em São Luís
Medo de assalto é constante para motoristas e passageiros em São Luís
Nos últimos dias, usuários do transporte coletivo de São Luís estão reclamando da insegurança tanto para os motoristas quanto passageiros.
Um dos casos de violência que repercutiram em São Luís foi a morte do motorista Francisco Teixeira, que dirigia o ônibus da linha Bequimão/Ipase, da empresa Ratrans, quando  foi morto com um tiro na cabeça.
O crime aconteceu na noite de sábado (19), durante um assalto, na avenida Jerônimo de Albuquerque, nas proximidades do elevado do bairro da Cohama.
Segundo a Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), o crime foi praticado por dois assaltantes. Os criminosos estavam na parte de trás do ônibus e, quando o coletivo se aproximava do elevado da Cohama, eles anunciaram o assalto.
Os bandidos mandaram o motorista parar o ônibus, mas Francisco Teixeira teria se negado. Então os criminosos efetuaram vários disparos contra a vítima.
Um dos tiros atingiu a cabeça de Francisco Teixeira, que morreu no local. Após matarem o motorista, os assaltantes fugiram levando os pertences dos passageiros e a renda do ônibus.
Após o crime, a Polícia Militar foi acionada e conseguiu prender um dos suspeitos, que confessou o latrocínio (roubo seguido de morte) e disse à polícia onde estava o segundo envolvido no crime. A polícia foi até a casa do outro suspeito e efetuou a prisão dele. Ambos os homens foram conduzidos para o sistema prisional.
Por causa do latrocínio, na manhã de domingo (20), os rodoviários do sistema de transporte público de São Luís decidiram paralisar suas atividades.
Segundo o Sindicato dos Rodoviários do Maranhão, a paralisação foi uma forma de protesto contra a insegurança pública.
“O protesto liderado pela entidade, tem um único propósito, exigir dos órgãos de segurança pública do Estado, que garantam maior proteção aos trabalhadores do sistema, que de fato, estão colocando a vida em risco”, afirmou o sindicado por meio de nota.
De acordo com o sindicato, ainda na manhã de domingo, os representantes do Sindicato dos Rodoviários estiveram reunidos com a cúpula de Segurança Pública do Estado (SSP), que se comprometeu em intensificar as ações de segurança.
“No encontro ficou decidido, que serão intensificados todos os trabalhos relativos a operações, deflagradas no passado, com o intuito de coibir assaltos a ônibus e que surtiram efeito positivo, entre elas, a Busca Implacável, em que os coletivos eram abordados e os passageiros revistados”, explicou a sindicato.
Mas, o sindicato ressaltou que se não houver diminuição da insegurança no transporte público, os rodoviários poderão paralisar novamente.
“Se mesmo assim, não houver um controle nas estatísticas de violência dentro dos coletivos, o sistema de transporte público em São Luís poderá parar novamente”, destacou a entidade.