terça-feira, setembro 22, 2020
Início Economia Produção industrial cresce 8,9% em junho, acima das expectativas

Produção industrial cresce 8,9% em junho, acima das expectativas

SÃO PAULO – A produção industrial brasileira cresceu 8,9% em junho na comparação com maio, revelou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (4). O número veio acima da mediana das projeções dos economistas, que esperavam uma alta de 8% segundo o consenso Bloomberg.

No mês passado a produção industrial já havia avançado, 8,2%, em revisão depois da alta divulgada de 7%.

Já na comparação com junho de 2019, o recuo da atividade da indústria foi de 9%, ante a retração de 10% registrada no mês anterior e ante estimativa de queda de 10,1%. Em maio, a produção industrial desabou 21,9% sobre o mesmo mês do ano passado.

Com a baixa na base anual, de 9%, este foi oitavo resultado negativo seguido nessa comparação. Assim, os índices do setor industrial foram negativos tanto para o fechamento do segundo trimestre de 2020 (-19,4%), como para o acumulado do primeiro semestre do ano (-10,9%). Em 12 meses, a queda foi de 5,6%, recuo mais intenso desde dezembro de 2016 (-6,4%).

Com a alta de 8,9% em junho de 2020, esta foi a sua maior taxa desde junho de 2018 (12,5%) e mostrando crescimento pelo segundo mês seguido. Mesmo assim, a produção industrial elimina apenas parte da queda de 26,6% acumulada no período março-abril de 2020. No resultado de junho, houve comportamento positivo disseminado, explicado pelo aumento do ritmo produtivo, após o aprofundamento das paralisações ocorridas em diversas plantas industriais, em março e abril, por conta da pandemia da COVID-19, destaca o IBGE.

“Mesmo com o desempenho positivo mais acentuado nesse mês, o setor industrial ainda se encontra 27,7% abaixo do nível recorde alcançado em maio de 2011. Ainda na série com ajuste sazonal, a média móvel trimestral permanece em queda, com o total da indústria recuando 1,8% em junho de 2020 frente ao nível de maio, mantendo, dessa forma, a trajetória predominantemente descendente iniciada em outubro de 2019”, aponta o IBGE.

O avanço de 8,9% da atividade industrial de maio para junho de 2020 teve crescimento generalizado, alcançando todas as grandes categorias econômicas e a maior parte (24) dos 26 ramos pesquisados. Entre as atividades, a influência positiva mais relevante foi de veículos automotores, reboques e carrocerias, que avançou 70,0%, impulsionada pelo retorno à produção de unidades paralisadas por causa da pandemia da COVID-19.

Com esses resultados, veículos automotores, reboques e carrocerias acumulou alta de 495,2% em dois meses consecutivos de crescimento, mas ainda se encontra 53,7% abaixo do patamar de fevereiro último.

Outras contribuições positivas relevantes sobre o total da indústria vieram de bebidas (19,3%), de indústrias extrativas (5,5%), de produtos de borracha e de material plástico (17,3%), de outros equipamentos de transporte (141,9%), de produtos de minerais não-metálicos (16,6%), de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (24,4%), de outros produtos químicos (7,1%), de máquinas e equipamentos (10,6%), de produtos de metal (13,1%), de produtos têxteis (34,2%), de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (15,1%), de impressão e reprodução de gravações (63,4%) e de móveis (28,5%).

Por outro lado, os dois resultados negativos do mês foram nos ramos de produtos alimentícios e de coque e em produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, ambos com queda de 1,8%. O primeiro eliminou parte do ganho de 3,6% acumulado nos meses de abril e maio e o segundo voltou a recuar, após expansão de 16,3% em maio último, quando interrompeu três meses de consecutivos de redução na produção e que acumularam perda de 20,1%.

Entre as grandes categorias econômicas, ainda em relação a maio de 2020, bens de consumo duráveis, ao crescer 82,2%, e bens de capital (13,1%) mostraram as maiores taxas positivas em junho de 2020, com ambos apontando o segundo mês seguido de expansão e acumulando nesse período avanços de 287,4% e 47,3%, respectivamente. Vale citar que, mesmo com esses resultados positivos, esses segmentos ainda se encontram bem abaixo do patamar de fevereiro último: -40,1% e -27,1%, respectivamente.

Os setores produtores de bens de consumo semi e não-duráveis (6,4%) e de bens intermediários (4,9%) também assinalaram taxas positivas em junho de 2020, com ambos avançando abaixo da média da indústria (8,9%), mas marcando o segundo mês consecutivo de crescimento e acumulando nesse período ganhos de 17,7% e 10,7%, respectivamente.

Newsletter InfoMoney – Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:

Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

The post Produção industrial cresce 8,9% em junho, acima das expectativas appeared first on InfoMoney.

MAIS NOTÍCIAS

Mercado em torno do Android movimenta R$ 136 bilhões, 2% do PIB

Um novo estudo, realizado pela consultoria global Bain & Company, analisou os impactos que o sistema operacional Android possui no Brasil. Gerando mais de 630...

Heleno diz que retaliação a países que boicotarem Brasil pode estar na mira do governo

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, afirmou nesta terça-feira que a possibilidade de retaliar países que boicotarem produtos...

Polícia prende dois suspeitos de praticarem estupro no Maranhão

Uma prisão foi na cidade de Porto Franco, região Tocantina. A segundo foi em Paço do Lumiar, na Região Metropolitana de...

Além do ponto laranja: as novas funções de segurança do iPhone com iOS 14

A nova atualização do sistema operacional da Apple, o iOS 14, foi liberado para iPhones e outros dispositivos da marca na semana passada. Um...