quinta-feira, agosto 13, 2020
Início Maranhão Governador anuncia reabertura gradual do comércio no Maranhão a partir de segunda-feira

Governador anuncia reabertura gradual do comércio no Maranhão a partir de segunda-feira


Flávio Dino informou nesta quarta-feira (20) que reabertura da economia será por etapas e vai seguir protocolos sanitários e de segurança. Empresas familiares serão as primeiras a reabrir no Maranhão. Flávio Dino anuncia reabertura do comércio para a segunda-feira (25)
Em pronunciamento nesta quarta-feira (20), o governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB), anunciou que a partir de segunda-feira (25), o estado vai começar um processo ‘gradual e com segurança’ de liberação das atividades econômicas. A reabertura será feita por etapas e dividida por setores, que vão seguir protocolos sanitários e de segurança que serão aprovados pela Casa Civil.
A previsão é que a reabertura gradual da economia se estenda por 45 dias. O governador informou que até domingo (24), será mantido em todo o estado o decreto que restringe atividades comerciais e a circulação de pessoas para combater a pandemia do novo coronavírus (veja o vídeo acima).
Na segunda-feira (25), serão reabertas empresas familiares, ou seja, locais em que trabalham somente o proprietário e pessoas do seu grupo familiar. A determinação vale para as pequenas empresas do Maranhão que possuem essa característica. Os comerciantes deverão seguir os protocolos de higiene, etiqueta respiratória, adotar o uso de máscaras e praticar o distanciamento social.
“Nós teremos manutenção das regras vigentes até o próximo domingo (24). A partir do dia 25 de maio, nós vamos iniciar um processo gradual, com segurança, com a observância de normas sanitárias, de liberação das atividades econômicas. Esse processo iniciará a partir da próxima segunda-feira pelas empresas exclusivamente familiares, ou seja, estabelecimentos que trabalham somente o proprietário e pessoas do seu grupo familiar. Pequenas empresas que estejam situadas em qualquer cidade do Maranhão, menos no caso de shoppings”, disse o governador.
De acordo com Dino, a previsão é outros seguimentos econômicos e sociais serão reabertos a partir de 1º de junho. A liberação só vai acontecer após a aprovação da Casa Civil, que vai se basear em determinações da equipe técnica e de protocolos da Secretaria de Estado da Saúde (SES).
Governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), anunciou a reabertura gradual do comércio no estado em pronunciamento nesta quarta-feira (20).
Reprodução/Governo do Maranhão
MUDANÇAS: Serviços afetados pelo coronavírus no Maranhão
O QUE FAZER: Para onde ir, caso apareçam os sintomas
MAPA DO CORONAVÍRUS: Confira as cidades infectadas pelo país
DÚVIDAS: Veja mais de 40 perguntas e respostas
GUIA ILUSTRADO: Conheça mais sobre o Covid-19
O governador já havia anunciado a reabertura do comércio em entrevista ao JMTV 2ª edição na segunda-feira (18). Para ele, o ‘lockdown’ (bloqueio total) que ficou em vigor por 12 dias na Grande Ilha de São Luís foi fundamental para evitar mortes e a proliferação de novos casos pela Covid-19.
“O lockdown cumpriu um papel muito importante. Antes dele, nós tínhamos uma tendência de ascendência. Já observamos a queda destes indicadores. Ainda estamos muito longe de dizer que vencemos a guerra contra o novo coronavírus, mas observamos a redução da letalidade”, disse Flávio Dino.
Coronavírus no Maranhão
O anúncio da reabertura foi feito um dia após o Maranhão ultrapassar a marca de 15 mil casos da Covid-19, de acordo com o boletim da Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgado na terça-feira (19). Ao todo, o estado possui 634 mortes e 3.035 curados da doença.
O Maranhão possui sozinho, mais casos confirmados que os três estados que integram a região sul do Brasil, que somam quase 12 mil casos, de acordo com o Ministério da Saúde. Segundo o mapa de casos e mortes do novo coronavírus elaborado pelo G1, São Luís é a 8ª cidade do país em número de casos confirmados.
Ficar em casa
Ficar em casa é importante porque, segundo as autoridades de saúde, é a única maneira mais eficaz no momento para frear o aumento repentino no número de casos, o que poderia causar um colapso no sistema de saúde pela falta de leitos e de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs).
Um colapso causaria a diminuição drástica da capacidade do sistema de saúde em cuidar dos pacientes, o que aumenta a chance de óbitos por Covid-19 e também por outras doenças.
Cuidados
Para evitar a proliferação do vírus, o Ministério da Saúde recomenda medidas básicas de higiene, como lavar as mãos com água e sabão, utilizar lenço descartável para higiene nasal, cobrir o nariz e a boca com um lenço de papel quando espirrar ou tossir e jogá-lo no lixo. Evitar tocar olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam limpas.
Initial plugin text

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

MAIS NOTÍCIAS

Com quarentena, mercado de brinquedos eróticos dispara

Ao contrário do que se imaginava no início da pandemia, durante a quarentena, o consumidor se mostrou disposto a gastar com supérfluos e a...

Executivos falam de diversidade e o que buscam as gigantes de tecnologia

Executivos de grandes empresas de tecnologia discutiram carreira, diversidade e habilidades que as companhias buscam durante o BRASA Hacks, evento digital promovido pela BRASA,...

GM promete carro a trabalhador que aderir a PDV

Na tentativa de não promover demissões em massa em razão da alta ociosidade de suas cinco operações no país, onde trabalham cerca de 18...

Delivery: para o home-office, almoço executivo na sua porta

CASUAL listou oito restaurantes badalados que entregam refeições pensadas para o almoço de quem está trabalhando em casa durante a quarentena. Confira: Carlos Pizza Com preços...